Frases Desfeitas
Mais de 1000 frases, aforismos e máximas para ler antes de morrer de rir.

 

Carlos Castelo

Formato: 11x18 cm, 252 páginas

 

Máxima, sentença, adágio, apotegma. Esses termos meio vetustos servem para descrever um dos mais ilustres gêneros literários: o aforismo – ou seja, a frase curta, a tirada de espírito, cheia de agudeza e ironia. Aforismos mostram o avesso do avesso das coisas, são clichês em negativo, antídotos contra o senso comum e o pedantismo. Nossos melhores aforistas são aqueles que rejeitam a machadiana “teoria do medalhão” (um saber postiço e vazio) e preferem a tirada sarcástica feita no calor da hora, a observação sobre situações concretas, revolvendo nosso ridículo e nossas pretensões. É nesse time que joga o compositor, publicitário e escritor Carlos Castelo, autor de Frases Desfeitas. Quem conhece o seu trabalho como letrista do conjunto Língua de Trapo sabe que a esculhambação e o humor dessas letras estão cheias de menções que exigem ouvintes com um mínimo de repertório. Em Frases Desfeitas, a toada é a mesma. O que o coloca Castelo no distinto rol de Millôr e Verissimo é justamente a linguagem desinflada, a piada desentranhada da fala da rua e da retórica oficialesca, em suma, o faro para o cômico e para as contradições do presente – satirizados na linguagem do presente. Se bem que, do jeito que a coisa vai, os temas de Frases Desfeitas tendem a se perpetuar – o que mostra que esses “desaforismos” tão atentos ao que é imediato têm tudo para continuar valendo por mais algumas décadas.

 
 
Quando eu quero rir e me irritar ao mesmo tempo, vou direto aos aforismos de Carlos Castelo.
— Ruy Castro
 
“Melhor, combateremos à sombra... das palavras”. Palavras inteligentes são uma forma de resistência. Palavras inteligentes e engraçadas são invencíveis.
— Luis Fernando Verissimo